segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

Sou PcD, e agora? O guia básico da Pessoa com deficiência

Sofrer um acidente que prejudique de maneira permanente alguma capacidade motora ou física é um episódio difícil, mas poucos sabem que há uma série de direitos garantidos por lei que podem ajudar na readaptação e convivência em sociedade dessas pessoas. Os direitos das PcD envolvem desde descontos e isenção de impostos até transporte gratuito.

Para saber mais sobre o assunto, continue acompanhando este post.



O que é PcD?

PcD é uma sigla que significa Pessoas com Deficiência, referindo-se às pessoas com limitações permanentes como deficiência visual, motora, intelectual ou auditiva. O termo usado antigamente era portadores de deficiência, mas após convenção realizada em 2006, a sigla PcD passou a ser empregada como maneira de evidenciar que o substantivo “pessoas” tem mais importância que o termo “deficiência”, humanizando a abordagem sobre o assunto.

Quais são os direitos das pessoas com deficiência?

A legislação brasileira muitas vezes não é clara em relação aos direitos das PcD, mas essas pessoas podem solicitar alguns benefícios. Destacamos alguns:

Transporte gratuito

O acesso ao transporte público gratuito é garantido por lei para portadores de necessidades especiais. Os comprovadamente carentes têm direito ao transporte interestadual gratuito.

O benefício é válido em todo o país, mas cada cidade possui suas próprias regras de regulamentação. Consulte o órgão responsável pelo transporte no seu município para mais informações.

Isenção de impostos

Cada órgão público (federal, estadual e municipal) têm suas regras para isentar de impostos as pessoas com deficiência. Dentre as taxas previstas, estão o IPI e o IOF. No âmbito estadual, o IPTU e IPVA também são isentos, mas esse direito varia entre um lugar e outro. Nesse caso, é interessante que a pessoa consulte os órgãos responsáveis para checar seus benefícios. Também há a isenção de impostos na compra de carros.

Meia entrada

Pessoas com deficiência também têm direito a pagar meia entrada em eventos e espaços culturais como cinemas, teatros, shows, museus, etc, tanto em espaços públicos, quanto privados. Porém, essa meia entrada não é cumulativa com demais promoções ou descontos.

Amparo Assistencial

Conhecido como Benefício da Prestação Continuada da Lei Orgânica da Assistência Social, esse direito garante que portadores de necessidades especiais com mais de 65 anos recebam um salário mínimo, desde que a renda per capita da família seja inferior a ¼ desse mesmo salário. Os interessados podem obter mais informações em uma agência da Previdência Social.

Tratamento médico em outros locais

Se a cidade de residência do portador de deficiência não oferecer a infraestrutura para o tratamento médico necessário, essa pessoa tem direito a esse recurso em outro município ou estado. Para isso, ele deve receber transporte e hospedagem durante o tratamento, inclusive para o acompanhante. Esse direito é garantido apenas para usuários do SUS (Sistema Único de Saúde).

Prioridade em órgãos públicos e privados

Pessoas com deficiência devem ter acesso ao atendimento prioritário em estabelecimentos e canais de comunicação, no recebimento da restituição do imposto de renda, maior rapidez na tramitação de processos judiciais e administrativos, além de segurança garantida no embarque e desembarque de transporte público.

domingo, 20 de dezembro de 2020

Jogador vítima de racismo recebe convite do Santos e vídeo de Neymar


Luiz Eduardo Bortoldo Santiago, o jogador de 11 anos que chorou ao ser vítima de racismo e viralizou nas redes, foi convidado pelo Santos para fazer um teste no clube no início do ano novo.

O time entrou em contato com a família de Luiz Eduardo e, além do convite, prometeu mandar produtos oficiais da marca. No vídeo, postado no Instagram do SóNotíciaBoa, Luiz Eduardo se emociona ao contar que o técnico adversário o chamou de preto, na última 16.

Mas se a maldade humana existe, a bondade chega com mais força. Além do convite do Santos, o menino recebeu um vídeo gravado pelo craque Neymar nesta sexta, 18.

O menino é fã de Neymar, que foi revelado pelo Santos.

Camisa

Neste sábado (19/12), o Santos presenteou o garoto com uma camisa oficial do clube e mandou um recado:

“Nós estamos esperando você aqui na Vila!”

Os jogadores Arthur Gomes e Gabriel de Jesus também manifestaram apoio ao garotinho.

Racismo

Na quarta-feira, o menino, que é jogador sub-11 do Uberlândia, participava de uma partida entre Uberlândia Academy e Set Esportes pela Caldas Cup.

Após o jogo, ele deixou o campo chorando e contou sobre as ofensas que havia ouvido.

“O cara falava assim ‘Fecha o preto aí, ó!’ Aí eu aguardei para falar no final com os pais”, disse.

Com informações do Metrópoles e Veja 

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Idosos e PCDs podem receber benefício mesmo sem contribuição ao INSS
Saiba como é possível receber o Benefício de Prestação Conitnuada; para fazer o pedido, há requisitos como baixa renda.

contribuição ao INSS

O governo federal está analisando o Benefício de Prestação Continuada (BPC), destinado a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda. No Rio Grande do Sul, até agora, o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) identificou 3.018 beneficiários inaptos ao benecífio acima de um salário mínimo por mês (R$ 937).
A renda dessas pessoas seria maior do que a exigida para receber o benefício. Mas a renda não é o único critério para entrar no programa. O BPC garante um salário mínimo (R$ 937) mensal aos beneficiários. É destinado a idosos com 65 anos ou mais ou pessoas com deficiência de qualquer idade impedidos de terem uma vida profissional regular.

Sem 13º salário e pensão

No caso das pessoas com deficiência, é necessário passar por avaliação médica e social junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O BPC não pode ser acumulado, por exemplo, com seguro-desemprego, aposentadoria e pensão. E a regra atual exige que o beneficiário faça uma declaração de que não recebe outro benefício no âmbito da Seguridade Social.
Não é necessário pagar intermediários para alcançar o benefício. Como é assistencial, não é necessário ter contribuído para o INSS para ter direito ao BPC. Não há pagamento de 13º salário nem deixa pensão por morte.

Entenda o Benefício de Prestação Continuada

Para quem é o BPC:
– Idosos com 65 anos de idade ou mais.
– Pessoa com deficiência, de qualquer idade. Neste caso, é considerada deficiência aquela que apresenta impedimentos de longo prazo (mínimo de dois anos) de natureza física, mental, intelectual ou sensorial e que podem impedir a participação plena na sociedade em igualdade com as demais pessoas.
– Para a pessoa com deficiência, deverá ser realizada a avaliação em duas etapas por assistentes sociais e médicos peritos do INSS.

O que o INSS exige para pagar o BPC:
– Renda por pessoa do grupo familiar equivalente a um quarto do salário mínimo (R$ 234,25). Fazem parte do cálculo dessa renda o titular do BPC, o cônjuge ou companheiro, os pais, madrasta ou padrasto (caso ausente o pai ou mãe, nunca ambos), irmãos solteiros, filhos e enteados solteiros e menores tutelados.
– Não estar recebendo outro benefício da Seguridade Social (como aposentadorias e pensão). É necessário declarar que não recebe outro benefício no âmbito da Seguridade Social.
– Estar inscrito no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) antes da apresentação de requerimento ao INSS.
– O requerente e todos os membros da família devem estar cadastrados no CPF, cujos números devem ser apresentados ao pedir o benefício.

Como solicitar o BPC:
– O cidadão pode procurar o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) de seu município para receber as informações sobre como preencher os formulários e encaminhar o BPC. Confira neste link da prefeitura de Porto Alegre os endereços dos Cras da Capital.
– É possível agendar atendimento direto no INSS pelo telefone 135 da Central de Atendimento da Previdência Social (ligação gratuita) ou por meio da ferramenta online da Previdência.

Documentos e formulários necessários:

– Documento de identificação do titular (ao requerente maior de dezesseis anos de idade poderá ser solicitado documento de identificação oficial com fotografia).
– Formulários preenchidos e assinados, de acordo a situação do titular. Um deles é de preenchimento obrigatório em todos os casos. Outro é apenas para quem deseja renunciar outro benefício.
– Termo de Tutela, no caso de menores de 18 anos filhos de pais falecidos ou desaparecidos ou que tenham sido destituídos do poder familiar.
– Documento que comprove regime de semiliberdade, liberdade assistida ou outra medida em meio aberto, emitido pelo órgão competente de Segurança Pública estadual ou federal, no caso de adolescentes com deficiência em cumprimento de medida socioeducativa.
– Documento de identificação e procuração no caso de representante legal do requerente.

Outras informações:

– Em caso de mais dúvidas, a orientação é ligar para a Central de Atendimento do INSS pelo telefone 135.
– O serviço está disponível de segunda a sábado, das 7h às 22h.

domingo, 3 de setembro de 2017

Repórter ao vivo salva homem preso em caminhão na enchente
Repórter ao vivo salva homem

Uma repórter ajudou a resgatar um homem preso em um caminhão quase submerso em Houston, no Texas, EUA, após a passagem do furacão Harvey. (vídeo abaixo)
Brandi Smith, do canal KHOU 11, que trabalhava com o cinegrafista Mario Sandoval, fazia uma entrada ao vivo neste domingo para falar sobre os estragos na cidade, quando eles perceberam o veículo nas proximidades de uma ponte.
Enquanto ela narrava a situação, passou uma equipe de resgate equipada com um barco.
A repórter parou a viatura e pediu ajuda ao vivo. Os policiais, que se dirigiam para outra operação, desceram para ajudar o motorista preso.
O caminhão ficou preso ao tentar circular por uma estrada inundada, onde as águas chegavam a três metros de profundidade.
“Vimos que os limpadores do veículo ainda estavam funcionando e, quando chegamos mais perto, percebemos movimento na cabine do caminhão. Tínhamos que tentar ajudá-lo”, disse a repórter.
A operação deu certo.
O motorista, identificado apenas como Robert, foi resgatado pela janela do caminhão.
Autoridades americanas estimam que o furacão Harvey levou desde sexta-feira mais de 75 cm de chuva para Houston, transformando ruas em rios.
Assista a entrada ao vivo, em que ela vê o motorista dentro do caminhão e avisa a polícia:
Com informações da BBC

domingo, 27 de agosto de 2017

Como uma cabeleireira devolveu o sorriso a uma jovem com depressão
jovem com depressão


Sem planejar, a aprendiz de cabeleireiro Kayley Olsson, de Waterloo, no estado americano de Iowa, deu uma terapia de mais de 13 horas em uma adolescente que levava anos sofrendo de depressão crônica.

Na terça-feira, a estudante de 16 anos entrou no salão Capri, em que Kayley trabalha, pedindo-lhe que lhe raspasse de vez o cabelo emaranhado e descuidado. O cabelo ia até a cintura da jovem. Mas ela disse à cabeleireira que vinha se sentindo “tão para baixo e sem valor” que não tinha sequer forças para se pentear. Apenas se levantava para ir ao banheiro.
A menina tinha uma sessão de fotos com a turma da escola marcada para os próximos dias. Mas, diante do terrível estado do cabelo, se dava conta de que não teria energia suficiente para arrumá-lo. Kayley e sua colega Mariah Wenger, porém, entenderam que atender ao pedido da cliente seria fazer a coisa errada naquele caso.
“Cortar o cabelo dela absolutamente não era opção para mim”, disse Kayley à BBC. “Eu sabia naquele momento que precisávamos preservar o cabelo dela o mais que podíamos.”
Mais que um tratamento estético, foi também uma terapia para a autoestima da menina. “Foram muitas palavras de encorajamento, de conforto e muita conversa para elevar sua autoestima e distraí-la do grande esforço que foi desembaraçar o seu cabelo”, disse Mariah, que também tem 25 anos e é mãe de duas filhas.
“Pude me relacionar de maneira muito forte com os problemas mentais dela, com a luta diária deles, por causa das minhas dificuldades com depressão e ansiedades pós-parto.”
“Eu sabia como é sentir que não se vale nada. Uma criança nunca deveria se sentir assim.” Depois de desembaraçar o cabelo da estudante até pouco abaixo do ombro, Kayley e Mariah fizeram o corte e aplicaram tratamentos de beleza.
“Depois de ficar aqui durante 8 horas ontem e 5 horas hoje, finalmente fizemos essa linda menina sorrir, e sentir que ela TEM valor”, escreveu Kayley na rede social. “Suas últimas palavras para mim foram: ‘Vou sorrir para minhas fotos de escola de verdade. Vocês me fizeram sentir como eu mesma de novo.'”
A aprendiz diz que ambas choraram de alegria. “Todas merecemos ser bonitas”, disse.
Fonte: BBC

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Jovem baiano constrói “Ferrari” com sucata e faz sucesso
Ferrari com sucata

Ele é auxiliar de cabeleireiro e ajuda o pai serralheiro, mas levou a sério a máxima “nada se cria, tudo se transforma”. Sabe o que ele construiu? Uma “Ferrari” feita de sucata.
Com apenas 23 anos, Geovane Félix Ramos dos Santos desenvolveu um protótipo com a experiência na serralheria do pai.
O investimento foi de 6 mil reais. E agora, mesmo sem ter nascido em berço de ouro, ele ostenta a Ferrari pela ruas de Paramirim, no sudoeste da Bahia.
Modelo único
Geovane desenvolveu um modelo único do icônico carro italiano.
É claro que não é a LaFerrari Aperta de R$ 4,4 milhões.
A “Ferrari” de Geovane é um praticamente “Frankenstein”. Tem:
  • motor de motocicleta de 200 cilindradas
  • painel de Del Rei
  • lataria da sucata da lateral de um ônibus
  • caixa de marcha de Gol e
  • volante de fusca
As rodas de aro 17 foram construídas por ele mesmo, assim como os bancos e o chassi.
Ele só encomendou os vidros escuros, mas foi ele mesmo quem pintou o carro.
Pesando 500 kg, o carro também corre bem menos que a original: chega no máximo a 40 km por hora.
“Fiz só para dar uma voltinha aqui na cidade mesmo”, disse ele, que não tem Carteira Nacional de Habilitação (CNH).
O carro tem lugar para duas pessoas. Nos fundos, uma placa com o nome “Itália” e a identificação “G2017V”. O ‘g’ é de Geovane e o ‘v’ de Vanessa, a esposa.
Ele conta que a construção foi aos poucos.
“Comecei aos poucos a construir o carro em outubro do ano passado, nos fundos da oficina do meu pai. Comecei pelo chassi, depois as rodas. A parte elétrica é toda de moto, fui fazendo as adaptações. A ignição é eletrônica, todos os faróis e piscas dianteiros e traseiros funcionam, assim como a luz de freio”, contou Geovane.
Propostas
O rapaz achou gente interessada em trocar o carro por um convencional, mas ele não quis, até porque está aproveitando o sucesso da sua “Ferrari”.
E já tem até convite pra exposição. Dia 1º de setembro ele vai levar o veículo em um evento de motociclistas em Paramirim.
E Geovane já tem novo desafio: agora ele quer construir um Lamborguini Aventador, “daqueles que abrem as portas para cima”, mas ainda precisa levantar o capital.
Inventor mirim
Aos 14 anos, ele criou uma moto com motor de fusca, no estilo da Harley-Davidson, trocada por um veículo Escort que valia, segundo ele, cerca de R$ 4 mil.
O dom vem da família, já que o pai de Geonave, José Félix dos Santos, criou na década de 1980 um avião híbrido, que não chegou a voar, mas foi exposto à população, despertando a curiosidade geral.
O avião foi feito com motor de Volkswagen para dois ocupantes.
Popular
Em Paramirim, a “Ferrari” de Geovane é o assunto mais comentado desde que ele colocou o carro para rodar.
“Ele fez o carro escondido, ninguém sabia. Todo mundo ficou admirado com a Inteligência dele”, disse o amigo Ronaldo Oliveira de Almeida, 34, gerente de um supermercado local.
Regularização
Geovane ainda precisa regularizar o carro e colocar o número do chassi no departamento de trânsito.
Com informações do iBahia
A importância dos exercícios físicos para pessoas com deficiência

Conheça modalidades de esportes e exercícios físicos indicados para pessoas com deficiência.

exercícios físicos para pessoas com deficiência

Praticar esportes com regularidade traz inúmeros benefícios para a saúde física e mental, além de melhorar a qualidade de vida. Para as pessoas com deficiência, os ganhos são ainda maiores: aprimora a força, a agilidade, a coordenação motora, o equilíbrio e o repertório motor. No aspecto social, proporciona a oportunidade de sociabilização entre quem tem e não tem deficiência, além de aumentar a independência no dia a dia.
No aspecto psicológico, o esporte melhora a autoconfiança e a autoestima, tornando os praticantes mais otimistas e seguros para alcançarem seus objetivos. Previne as enfermidades secundárias à deficiência e ainda promove a integração social, levando o indivíduo a descobrir que é possível, apesar das limitações físicas, ter uma rotina normal e saudável.
“Os exercícios físicos tanto por competitividade quanto por diversão proporcionam inúmeros benefícios para o corpo e mente. Porém, é imprescindível respeitar as limitações, adequando modalidades e objetivos pessoais”, comenta a Dra. Karina Hatano, médica do exercício e do esporte.
A especialista explica ainda que é fundamental o acompanhamento na hora de executar um movimento. “É imprescindível seguir todas as normas de segurança para evitar acidentes e estimular sempre o desenvolvimento da potencialidade individual”, comenta.

Modalidades sugeridas

Judô – para pessoas com deficiência visual.
Natação– voltada para amputados, pessoas com paralisia cerebral, deficiências visuais, paraplégicos e outros.
Tiro – para amputados, pessoas com paralisia cerebral e cadeirantes.
Bocha – para aqueles com paralisia cerebral.
Vela – modalidade voltada para amputados, cadeirantes, pessoas com deficiência visual, paralisia cerebral e outros.
Futebol de cinco – praticado por pessoas com deficiência visual.
Basquete em cadeira de rodas – disputado por pessoas com alguma deficiência física-motora

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Videoprova traduzida em Libras no Enem 2017

Recurso é novidade no Exame Nacional do Ensino Médio deste ano e foi desenvolvido pelo Inep em parceria com outras instituições.

Prova em Libras no Enem 2017


videoprova traduzida em Libras foi escolhida por 1.897 participantes com inscrições já confirmadas para o Enem 2017. Outras opções eram o tradutor-intérprete de Libras, que teve 1.489 solicitações, e o recurso de leitura labial, escolhido por mil pessoas. Cerca de 52 mil participantes solicitaram atendimento especializado, sendo 4.957 deficientes auditivos e 2.184 surdos.
O novo recurso de acessibilidade foi desenvolvido pelo Inep em parceria com professores, pesquisadores e especialistas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), do Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines), entre outros. Algumas IES têm usado o recurso com bons resultados em seus vestibulares, entre elas a UFSC e a Universidade Federal de Santa Maria.
Como funciona a videoprova
As questões e as opções de respostas são apresentadas em Língua Brasileira de Sinais, por meio de um vídeo. A videoprova tem o mesmo número, ordem e valor de questões da prova regular, além da garantia de qualidade e normas de segurança máxima de todas as provas do Enem. Já as questões de língua estrangeira trazem ta tradução apenas dos trechos originalmente em português.
Cada participante receberá um notebook para fazer as provas. As orientações, os enunciados das questões e as alternativas de respostas serão apresentadas em Libras por meio de vídeos gravados em DVDs. O participante também receberá o Caderno de Questões, a Folha de Redação e Cartão-Resposta. Caberá a ele escolher qual área do conhecimento fazer primeiro ou a ordem em que irá assistir aos vídeos.
A prova será aplicada em ambientes especialmente preparados para garantir sigilo, autonomia e segurança. A sala poderá ter até 20 participantes usando o recurso, e nela atuarão dois intérpretes, três fiscais e um técnico de informática. Os intérpretes farão a mediação entre ouvintes e usuários de Libras. Esses profissionais não irão auxiliar os participantes na tradução das questões da prova.
Fonte: Inep

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Designer brasileira cria coleção para pessoas com deficiência

Inspirada pelo irmão cadeirante, Denise Gonçalves de Sousa desenvolveu treze peças feitas sob medida para modelos com deficiência.

coleção para pessoas com deficiência

A ELLE publicou em seu site uma entrevista com Denise Gonçalves de Sousa, designer brasileira que criou uma coleção inclusiva, com 13 peças desenvolvidas pensando em pessoas com deficiência. Confira a matéria na íntegra:
“Eu gostaria de abrir a mente das pessoas para a moda inclusiva“, conta Denise Gonçalves de Sousa, designer que criou uma coleção de 13 peças ideais para pessoas com deficiência sem deixar de lado a linguagem da moda.
Formada na Belas Artes, ela se inspirou na trajetória de vida de seu irmão Ivan, que era cadeirante, para criar sua mais nova coleção. “Convivi 17 anos com ele e pude presenciar a dificuldade para vesti-lo. Foi então que comecei a me questionar e vi que a moda não olha para as pessoas com deficiência”, conta sobre o propósito de suas peças. “Fiz também uma estampa geométrica inspirada no estilo do meu irmão que usava camisas bem estampadas e coloridas, com estilo dos anos 1980”. Apesar de ainda não ter começado as vendas, ela já pode receber uma resposta positiva das modelos que participaram do editorial, e algumas mensagens de pessoas com deficiência que adoraram o projeto.
Ela contou à ELLE sobre seu processo produtivo e por que acredita que a inclusão de pessoas com deficiência deveria deixar de ser uma barreira na moda — principalmente nesse novo momento de quebra de estereótipos e preconceitos. Confira a entrevista:
Você pode descrever como criou sua coleção?
Primeiramente eu criei um questionário online, e depois participei de um concurso de moda inclusiva, em que perguntei para as modelos as seguintes questões: quais eram as maiores dificuldades para se vestir, como se sentiriam ao saber que existe uma marca que se preocupa com elas, como se sentem em relação à moda, e o que facilitaria na hora de se vestir. Mesmo com as resposta obtidas eu ainda não havia ficado satisfeita, e então passei a abordar todas as pessoas com deficiência que eu encontrava nas ruas, nos transportes públicos, no shopping… Trabalhei diretamente com as modelos, e elas ajudaram e realizar os testes de funcionalidade e conforto em todas as provas de roupas.

Como você foi desenvolvendo as modelagens e estilos de cada peça?
Como eu tive um irmão que era cadeirante, eu presenciava as dificuldades (que não são poucas) de vesti-lo. Ele não se levantava, então era difícil tanto para ele como para quem estava cuidando. Em outras palavras, esse problema afeta a autoestima pelo simples fato da pessoa com deficiência às vezes não conseguir abotoar uma camisa sozinha ou vestir uma saia – e isso pensando apenas nas cadeirantes. Temos as amputadas, pessoas com doenças raras, como a osteogênese imperfeita, que geralmente tem como característica a baixa estatura. Ou seja, a pessoa quer entrar em uma loja e encontrar roupas que a sirvam e que facilitem ao máximo a hora de vestir, o que foi o meu mote para criar a coleção.

A moda está discutindo padrões recentemente, mas de certa forma as pessoas que foram o foco de sua coleção parecem ainda não terem sido incluídas nessa conversa. Você sentiu isso na sua pesquisa?
Sim, essa sensação de “desencaixe” vem através da mídia e do padrão de corpo que a moda impõe. Essa sensação atinge todos nós e não apenas as pessoas com deficiência, mas no caso delas a sensação é maior por causa da falta de funcionalidade das roupas. Elas não encontram corpos como os delas nas revistas nem nas mídia, além disso a roupa já não é prática e nem confortável, então o único sentimento que resta é o de desencaixe.

E quais foram as suas inspirações para tentar acabar com isso?
A minha maior inspiração foi o meu irmão, tanto no tema moda inclusiva quanto no desenvolvimento do estilo da coleção. Usei o estilo colorido e geométrico das camisas que ele usava. Como a coleção foi pequena, composta por apenas sete looks, eu convidei três modelos com corpos e com deficiências diferentes, e assim os tamanhos e as peças foram desenvolvidas sob medida para satisfazer suas necessidades — mas elas podem ser usadas por qualquer pessoa. Por exemplo: uma saia longa que desenvolvi para a Letícia Guilherme, que tem osteogênese imperfeita e mede 1,30 de altura, possui três barras pelo fato de que ela possui dificuldade em encontrar uma saia longa que a sirva. Com o modelo que eu criei, ela consegue retirar as barras e adaptar à sua altura. Uma pessoa mais alta que ela consegue usar a saia colocando as barras. Esses foram os pequenos detalhes que eu pensei para conseguir atender todas as pessoas.

Como podemos acabar com as desculpas que a moda ainda usa para não incluir pessoas com deficiência?Pensando apenas na questão de vestimenta e não de marketing, eu acredito que existe uma parte da moda que realmente não teve a sensibilidade de olhar para essa questão da funcionalidade nas roupas. Alguns não se importam e outros não enxergam o tamanho da necessidade, mas a maioria tem medo de não encontrar público e de não vender. Na verdade isso tudo é por falta de conhecimento, pois a moda inclusiva não é algo para segmentar, mas sim para agregar. Mas olhando para a parte do marketing, eu realmente não entendo o porquê que as pessoas com deficiência não estão nas propagandas, nos editoriais e/ou nas capas de revistas.
Por que você achou importante que todas as roupas pudessem ser usadas por todas as pessoas?
Porque moda inclusiva é isso! Nenhuma pessoa com deficiência vai deixar a sensação de desencaixe usando roupas segmentadas apenas para elas e isso ocorre também com outros grupos excluídos.

Fonte: ELLE Brasil

domingo, 20 de agosto de 2017

AACD e Parque da Mônica juntos em parceria

Iniciativa faz parte das novas ações de inclusão e acessibilidade do parque

Parque da Mônica


Parque da Mônica, na capital paulista, promoveu um evento para apresentar suas novas ações de inclusão e acessibilidade. Na ocasião, que ocorreu no final de junho, a organização do local também anunciou sua mais nova parceria com a AACD. O objetivo é gerar recursos para a associação, que é referência no atendimento em reabilitação de pessoas com deficiência.
A partir de agora, quem visitar o parque, será convidado a doar dois reais à instituição, no momento da compra dos ingressos na bilheteria. Com isso, o parque inova ao estabelecer uma forma alternativa de captação de recursos para a instituição, que receberá o valor arrecadado de forma integral.
Maurício de Sousa, criador da Turma da Mônica, esteve presente no evento. O cartunista falou sobre a importância da inclusão em seus projetos. “Estou envolvido de forma mais direta com a criação das histórias, promovendo a inclusão de forma natural, e na criação dos personagens com deficiência. Estou muito feliz com essa parceria”.
O evento contou ainda com a presença do diretor executivo do Parque da Mônica, Marcelo Beraldo, da fisiatra Alice Ramos, superintendente clínica da AACD que participou de forma ativa do processo de adaptação do parque, do CEO do Grupo São Joaquim, Marcelo Kheirallah, do superintendente de Marketing e Captação da AACD, Celso Pinheiro, da deputada estadual Célia Leão (PSDB-SP), e do secretário adjunto da Secretaria Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Luiz Carlos Lopes.
Atração musical sobre diversidade
Os temas de inclusão e diversidade estão sempre muito presentes no Parque da Mônica. Além da parceria com a AACD, o Parque da Mônica estreia, a partir de julho, o novo espetáculo musical, chamado de Mônica Azul, que tem como principal missão a conscientização em torno da diversidade além de proporcionar muita diversão para os visitantes.
Representatividade
A Turma da Mônica possui quatro personagens com deficiência e eles estão sempre envolvidos com a inclusão. São eles:
– Tati, que tem síndrome de Down e foi criada em homenagem à Tathi Heiderich, filha de Patrícia e Fernando Heiderich, coordenadores do Instituto MetaSocial;
– Luca, um garoto cadeirante, que foi apelidado carinhosamente pelos novos amiguinhos de ‘Da Roda’ e ‘Paralaminha’, por ser muito fã do cantor Herbert Vianna e da banda Paralamas do Sucesso;
– Dorinha, que tem deficiência visual e foi criada em homenagem à Dorina Nowill;
– André, um menino de aproximadamente quatro anos, que tem autismo.

Fonte: Acesse 
Site externo
Foto: Geraldo Magela / Agência Senado

sábado, 19 de agosto de 2017

Evaristo Costa dá mais um show em ação beneficente
Evaristo Costa


O apresentador  decidiu doar 100 gravatas usadas no “Jornal Hoje”, para instituto em SP.

Evaristo Costa não para de surpreender! O jornalista, que anunciou sua saída da TV Globo no final de julho, usou as redes sociais para exibir as gravatas usadas na bancada do Jornal Hoje.
Em vídeo, ele anunciou que irá doar 100 gravatas  em prol do GACC (Grupo de Assistência à Criança com Câncer) de São José dos Campos, interior de São Paulo, sua cidade natal. “Atitudes simples melhoram a sua vida e a do próximo”, escreveu ele na legenda da publicação.
“Estava aqui em casa com um monte de gravatas e não sei o que fazer com elas. É sessão desapego. Mais de 20 anos de profissão usando gravatas todos os dias de segunda a sábado. E nos últimos 5 anos não repeti nenhuma [gravata]”, disse Evaristo no vídeo (assista aqui ).
Fonte: QUEM

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Telefonista encontra conta e R$ 600 no ônibus, paga e acha a dona
honestidade

Honestidade em João Pessoa, na Paraíba! Uma telefonista encontrou uma fatura e R$ 600 no ônibus em que ia para a lanchonete onde trabalha, na semana passada.
Silviane Cunha Derika Sawany, de 30 anos, pagou a conta e postou as fotos no Facebook para tentar localizar a dona, a vendedora Claudineia Santos Lima, de 43 anos.
“Achei ontem no ônibus 5100 em mangabeira esses 600 reais com uma fatura, a pessoa q perdeu deve ta (sic) desesperada, nessa crise faz muita falta, quem a conhecer pode passar p ela q a fatura está paga, n tem número de telefone, seu nome é claudineia santos lima do funcionários II (sic)”, contou Silviane na rede social.
A intenção dela era também devolver o troco, já que a fatura paga foi de R$ 564.
A atitude caiu nas graças dos internautas e o post viralizou.
A telefonista disse que achou a conta enrolada com dinheiro entre o banco e a lataria do ônibus.
“Quando abri, vi que o dinheiro estava dentro, coloquei na bolsa e na hora já decidi que pagaria. Só não fui na mesma hora porque chegaria atrasada ao trabalho. Mas no dia seguinte, saí mais cedo de casa para passar no banco antes. Em nenhum momento pensei em ficar com o dinheiro”, contou ela ao UOL.
O encontro
Assim que o caso apareceu no Facebook o filho de Claudineia entrou em contato com Silviane. No dia seguinte elas se encontraram.
“No sábado, nós nos encontramos na minha casa, mas eles não aceitaram o troco de jeito nenhum”, comentou Silviane.
A telefonista também disse que não esperava tanta repercussão.
Até esta segunda-feira (7), foram mais de mil comentários, 6,5 mil curtidas e quase 9 mil compartilhamentos. “Pra mim, minha atitude foi normal. Só fiz o que é certo. Nunca esperei tanta repercussão”, disse.
Honestidade
Silviane Cunha – Foto: reprodução / Facebook
Amigas
Ao saber que a conta havia sido paga, a vendedora Claudineia passou mal.
“Fiquei tão feliz e tão agradecida que minha pressão até subiu, tive que tomar remédio”, contou.
Conclusão da história? As duas ficaram amigas!
“Quero ser amiga dela para sempre. Ela é uma pessoa maravilhosa. É de amigos assim que nós precisamos. O mundo precisa de gente assim”, disse Claudineia.
Com informações do UOL

terça-feira, 15 de agosto de 2017

5 tipos de amizade que você precisa ter nessa vida
tipos de amizade

Ah, a amizade…. Dizem que “quem tem amigo tem tudo nessa vida”. E é verdade.
Geralmente a gente descobre isso quando está na pior e ele está lá pra ouvir, te dar a mão, te dizer a palavra certa e pra te levantar.
Obviamente, as amizades podem ser complicadas e nem sempre funcionam sem problemas, mas a beleza é que elas estão em constante evolução.

E não há regras sobre a quantidade de amigos/amigas que podemos ter e sobre como interagir com eles.
Cada tipo de amizade é um presente e deve ser apreciado. Nesse contexto, há 5 tipos de amizade que é bom ter:
1. Melhor amigo (a)
É aquele que você conhece e estará com você pelo resto da sua vida, não importa o que aconteça. A pessoa com quem você troca segredos e que, de tão próxima, parece ser alguém da sua família. Amigos de sintonia, a ponto de um terminar a frase do outro. Claro, esse tipo de amigo é difícil encontrar, por isso valorize essa pessoa e mostre o quanto ela significa pra você.
2. O ouvinte
É aquele com quem você pode desabafar, que vai escutar sem julgar, ou sentir a necessidade de interpor. Normalmente essa pessoa é capaz de ouvir e deixar as próprias opiniões de lado, quando você está precisando chorar e falar tudo o que vem à cabeça. Lembre de recompensar esse amigo, quando você estiver bem, com uma boa noite de diversão.
3. O divertido
É aquele cara cheio de energia que sempre te faz rir. Você não pode necessariamente compartilhar seus segredos mais profundos, mas pode confiar nele para encontrar as melhores festas da cidade, ou coisas divertidas para fazer. Esse tipo de amigo está disposto a correr riscos e você irá sair da sua zona de conforto quando precisar de um pequeno impulso. Descubra um evento legal e convide esse amigo.
4. Companheiro leal de trabalho
É o cara que passa mais tempo com você. Uma amizade com respeito mútuo. Vocês sabem que podem confiar um no outro, têm um bom relacionamento no trabalho, fazem rir para passar o dia, e eventualmente se encontram fora do emprego porque gostam da boa companhia. Leve uma refeição pra ele de vez em quando para almoçarem juntos no trabalho.
5. O sábio
Este é o amigo que você procura quando precisa de algum conselho ou rumo a ser tomado. É do tipo de pessoa que viveu mais, viajou mais e fica feliz em compartilhar suas experiências com os outros. Talvez um pouco mais velho, este é o tipo de amigo que sabe como ouvir e o que dizer na hora certa. Descubra o que ele gosta, dê um presente, ou convide para um evento interessante.
E não se esqueça: melhor do que ter um amigo é saber preservá-lo!
Com informações do GoodNet

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Menino de 8 anos cria cinema de graça para carentes
cinema de graça para carentes

Um menino de apenas 8 anos criou um cinema gratuito pra crianças carentes.
Rafael Kaweh é apaixonado por animações e decidiu criar o “Cine Oportunidades” para levar diversão e arte a meninos e meninas que não tem acesso à telona.
O pai dele, o assistente social Rafael Almeida, conta que o filho deu a ideia após saírem de uma sessão no cinema no Via Verde Shopping, em Rio Branco, no Acre.
As sessões organizadas pelo menino, com ajuda dos pais, tem pipoca e refrigerante e são sessões quinzenais.
A última sessão ocorreu em julho com o filme “Divertidamente”.
A sede do projeto fica na Rua Guajará, no bairro Cidade do Povo, em Rio Branco.
Os filmes sempre têm algo para refletir e no final da exibição há uma conversa com as crianças para falar da mensagem que elas ouviram e o que acharam, conta Almeida, o pai do menino
A ideia
No começo Rafael queria que o pai comprasse um cinema e desse entradas gratuitas para todos, mas Almeida explicou que seria muito caro.
Aí o menino contou que na escola os filmes eram exibidos para várias pessoas com projeções em um tecido branco.
Com doações, a família comprou um banner, um projetor e uma caixa de som.
O Cine Oportunidades já teve duas sessões. O nome vem de um projeto social que o pai e a mãe têm chamado “Oportunidade”.
Os dois decidiram usar a estrutura e a equipe de voluntários para colocar a ideia do filho em prática.
Além do filme, crianças que nunca tiveram a oportunidade de ir a um cinema de verdade concorrem a dois ingressos, sorteados quando termina o filme.
“Fazemos o sorteio e levamos os ganhadores ao cinema. Para mim, como pai, é muito emocionante ver essa atitude. Fico muito feliz, isso mostra que eu e a mãe dele somos um exemplo para ele com nosso trabalho social. Ele ter esse espírito de compartilhar é muito importante para nós”, finaliza.
Com informações do G1